Magia

O traço na página em branco

cava a palavra,

que tomba em gruta

profunda.

*

O eco da palavra escavada

distorce o sentido.

Inventa uma outra

vertigem.

*

A página em branco é caverna

de paredes e ásperas entranhas.

Precisa da teima e da urgência

de quem a percorre.

* 

A sombra do traço entrevisto

ganha a cor do desejo imaginado.

Eis a magia que propicia

a coisa.

 *

A coisa que – sólida –

o desejo inventou,

e o traço riscou

na parede branca e muda.

(Analice Martins)

 

4 ideias sobre “Magia

  1. Lílian querida, o poema foi saindo pensando nas cavernas de Lascaux e Altamira, na pedra lascada, em cores e nos labirintos da imaginação. Coisas que você bem conhece!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *