Lockdown

Quando a areia estancou

na ampulheta da sala

e o domingo

não mais foi véspera

de uma segunda-feira qualquer,

então,

o vento passadiço

anunciou que as horas

se arrastariam longas

e sem direção.

 

(Analice Martins, 03/05/2020)

 

 

 

 

2 ideias sobre “Lockdown

  1. Aninha,
    No hiato entre economia, Covid-19 e política; capital, mortes e Brasília, a poesia em sopro de esperança. Suas palavras tornam menos áridos os nossos dias.

    Um beijo!

Deixe uma resposta para Andressa Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *